Orientação para Prevenção de Quedas

As quedas em idosos modificam o estado funcional, fazendo com que o mesmo diminua de forma significativa o seu repertório de atividades da vida diária, muitas vezes deixando de realizá-las, isso ocorre por vários fatores que podem ser o medo de uma nova queda, déficits motores e cognitivos causados por quedas anteriores, entre outros.

Para isso aqui estão algumas orientações para prevenção de quedas no ambiente doméstico a partir da adequação do ambiente, são elas:

• Manter a iluminação adequada, principalmente no trajeto quarto - banheiro, usar preferencialmente luzes que acendem ao movimento, atenção à noite;

• Os interruptores de luz devem ser de fácil acesso, e com cores que constrastem com as paredes;

• Evitar pisos espelhados, com desenhos, irregulares e escorregadios;

• Não encerar o chão;

• Remover tapetes soltos e prender carpetes;

• Prender fios soltos, mantendo-os embutidos e eliminar quando desnecessário;

• Evitar monotonia das cores, isto é cores iguais. (parede/porta-prato/mesa);

• Cadeiras, sofá e vaso sanitário em nível mais elevado e com apoio lateral (braço);

• Elevar a altura da cama (pés devem ficar apoiados no chão) e usar colchão firme;

• Preferir rampas a degraus;

• Identificar os degraus com adesivos antiderrapantes e coloridos, identificando a mudança de desnível;

• Instalar corrimãos dos dois lados da parede em escadarias e corredores (corrimão contínuo, com formato arredondado e antiderrapante);

• Redistribuir mobília no espaço, deixando as áreas de circulação livres, eliminar móveis baixos, especialmente mesas com tampas de vidro;

• Eliminar ou almofadar objetos pontiagudos e quinas de móveis;

• Usar sinalizadores para detectar vazamento de gás e presença de fumaça;

• Usar campainha ou interfone para comunicação interna (sino);

• Evitar maçanetas redondas;

• Instalar torneiras fáceis de abrir e fechar;

• Aumentar a altura do vaso sanitário;

• Instalar barras de apoio no vaso e no box;

• Usar tapetes e adesivos antiderrapantes dentro do box;

• Preferir cortina no box, tomando cuidado com o desnível do piso;

• Usa cadeira de banho;

• As cores das peças - louças devem contrastar com o piso;

• Verificar a temperatura da água;

• Preferir sabonete líquido e esponja;

• Adaptar a altura do espelho;

• Quando usuário de cadeira de rodas, retirar o gabinete da pia;

• Manter o ambiente doméstico limpo e em ordem;

• Redistribuir as roupas e objetos no armário, deixando os mais usados em locais fáceis de serem alcançados;

• Não subir em bancos ou escadas;

• Utilizar calçado adequado, com sola de borracha e sem cadarço;

• Usar roupas fáceis de vestir (elástico e velcro);

• Solicitar ajuda quando necessário;

O Terapeuta Ocupacional é o profissional indicado para fazer a avaliação do ambiente para melhor orientar o idoso quanto ao uso de sua capacidade para fazer atividades em conjunto com o ambiente em que ele vive.

Escrito por Tatiana Vieira do Couto, Terapeuta Ocupacional - Crefito 6807/TO

   
 
 
Um estilo de vida ativo, o que inclui entre outras atividades a pratica de atividade física, é fundamental para um envelhecimento que preserve a autonomia e independência na terceira idade e um envelhecimento com qualidade de vida, que é o que todos nós almejamos.

Os benefícios da atividade física são muitos. Tanto exercícios aeróbios como natação, caminhada, bicicleta, quanto exercícios de treinamento de força muscular como a musculação são indicados na terceira idade e tem seu beneficio comprovados.

Com a atividade física há melhora na força muscular, equilíbrio, reflexo, postura, mobilidade, flexibilidade e velocidade de marcha, melhorando a autonomia física do individuo e diminuindo o risco de quedas, tão freqüentes e perigosas na terceira idade.

 

O exercício ajuda também na diminuição ou manutenção do peso, aumento da densidade óssea e, portanto melhora da osteoporose e diminuição do risco de fraturas, melhora do controle de doenças como hipertensão arterial e diabetes e aumento da eficiência cardio-vascular. Existem também diversos estudos comprovando que a atividade física melhora a cognição e memória em geral e diminui a depressão, doença comum na terceira idade. Muito importante também é que através do exercício físico há a melhora da auto-estima e do relacionamento social.

Há uma redução de pelo menos 10% de derrames cerebrais e 25% de doenças cardio vasculares em indivíduos que praticam atividade física, e taxa de mortalidade bem menor que indivíduos sedentários.

Mesmo indivíduos sedentários podem e devem iniciar atividade física em qualquer idade com os mesmos benefícios acima. Estudos comprovam que mesmo indivíduo nonagenário previamente sedentário tem melhora da qualidade de vida com a prática da atividade física e aumento da massa muscular. Nunca é tarde, portanto, para começarmos uma atividade física, mas quanto mais cedo começamos maiores os benefícios.

A atividade física na terceira idade deve ser indicada pelo médico após avaliação clinica rigorosa, avaliação cardio-vascular, avaliação da densidade óssea e das articulações em geral. Dependendo de cada caso, exames laboratoriais e avaliação cardíaca devem ser solicitados. Não há regra especifica e dependendo do caso algumas atividades são mais benéficas que outras.

Em geral caminhada pode ser feita pela maioria dos idosos, mas alguns com dificuldade para locomoção ou problemas articulares podem se beneficiar de exercícios na água. A musculação sob orientação do educador físico também é muita benéfica para a maioria dos idosos, mas outras atividades como alongamento, ioga e ginásticas orientais como o tai chi podem melhora a mobilidade, respiração, flexibilidade e equilíbrio.

O idoso pode fazer uma atividade física por conta própria desde que avaliado e orientado pelo seu médico. Se ele nunca praticou atividade física e se houver problemas de saúde mais graves um educador físico, principalmente se especializado na terceira idade, é de grande ajuda.

Escrito por Daniela Simone Alves de Oliveira, médica geriatra CRM 83456

   
   
 
 
Os exercícios físicos em geral podem influenciar no processo do envelhecimento, aumentando a expectativa de vida e a qualidade de vida, melhorando o controle e prevenindo doenças, diminuindo o risco de quedas e promovendo a independência pessoal, tão importante para os idosos.

A hidroginástica é uma modalidade de atividade física que traz inúmeros benefícios para os idosos. Na água há uma facilitação dos movimentos das articulações e da flexibilidade, que aliado ao exercício de baixo impacto, treinamento de força e resistência muscular, treinamento aeróbio e relaxamento fazem da hidroginástica um excelente exercício para esta faixa etária.

Além disso, a hidroginástica promove uma sensação de bem estar, recuperação da auto estima, relaxamento e diminuição das tensões musculares e mentais, sendo um momento importante de sociabilização e recreação. È importante lembrar que a hidroginástica também promove melhora da memória e da cognição.

Diversos problemas de saúde podem ser melhor controlados e tratados, com a prática regular de hidroginástica como dores crônicas, problemas articulares, diabetes, hipertensão, varizes, problemas cardíacos e respiratórios, depressão, Parkinson. Com o melhor controle do peso, aumento da força e resistência muscular e diminuiçao das tensões musculares e mentais em geral essas doenças podem ser também prevenidas.

Antes de começar uma atividade física é necessária uma avaliação médica cuidadosa. É o medico que poderá detectar qualquer impedimento para a realização das atividades como problemas cardíacos, ortopédicos, respiratórios entre outros e que poderá orientar qual exercício é mais adequado para cada um.

È importante também que o idoso encontre um exercício que ele realmente goste, sinta-se a vontade e feliz. Alguns idosos, por exemplo, tem muito medo de piscina e podem sentir-se melhor em exercícios no solo.

De qualquer maneira é bom lembrar que o exercício não pode ser prolongado na existência de dor, não pode levar a exaustão ou ultrapassar a amplitude máxima dos movimentos mesmo sendo realizado na água.

A atividade tem que ser prazerosa e cada uma tem que aprender a respeitar os limites de seu corpo para tirar o máximo proveito desta atividade tão benéfica!

Escrito por Daniela Simone Alves de Oliveira, médica geriatra, CRM 83456